Afreximbank financia com 1.300 milhões de euros industrialização do país

O financiamento destina-se à importação de bens de consumo e projectos de industrialização no sector privado

O Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank) acordou com Angola um financiamento de 1.500 milhões de dólares (1.300 milhões de euros) para a importação de bens de consumo e projectos de industrialização no sector privado.
De acordo com o resumo de dois despachos assinados na semana passada, e a que a Lusa teve acesso, Angola vai assinar dois acordos de financiamento com o Afreximbank, um no valor de 500 milhões de dólares, e outro no valor de mil milhões de dólares.

O primeiro, de acordo com o resumo, servirá para financiar a “importação de bens de consumo para os sectores da Defesa, Interior, saúde e Segurança do Estado”, enquanto o segundo servirá “para o financiamento de projetos de industrialização do país, no sector privado”.
Desde 2016, o Afreximbank já financiou Angola no valor de 1.400 milhões de dólares (1.215 milhões de euros), a que se juntam mais 2.000 milhões de dólares (1.735 milhões de euros) até 2020, disse o director do departamento de avaliação do crédito, Samuel Loum, numa entrevista em Abuja, em Julho. Na altura, adiantou ainda que 500 milhões de dólares (433 milhões de euros) seriam desembolsados ainda este ano.
O Afreximbank é um banco de apoio ao comércio, exportações e importações em África e foi criado em Abuja, em 1993. Tem um capital de mais de 10 mil milhões de dólares (8.675 milhões de euros).
Os accionistas são entidades públicas e privadas divididas em quatro classes e dele fazem parte governos africanos, bancos centrais, instituições regionais e sub-regionais, investidores privados, instituições financeiras, agências de crédito às exportações e investidores privados, além de instituições financeiras não africanas e de investidores em nome individual.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com