África do Sul transformada numa ampla “zona de guerra”

Os dados sobre a criminalidade na África do Sul, divulgados esta semana pelo ministro da Polícia deixam perceber que o país, tal como ele próprio diz, está transformado numa ampla “zona de guerra”, onde 57 pessoas são diariamente assassinadas.

As taxas de criminalidade na África do Sul são absolutamente preocupantes, revelando uma subida de 6,9 por cento no último ano, o que equivale a uma média de 57 homicídios por dia.

Quem o disse, esta semana, foi o próprio ministro da Polícia, Bheki Cele, que comparou o seu país a uma ampla “zona de guerra”.

Segundo as estatísticas que ele divulgou durante um encontro no parlamento com deputados, um total de 20.336 pessoas morreram nos últimos 12 meses até Março, o que significa um aumento de 6,19 por cento em relação ao ano passado. Entre Abril de 2016 e Março de 2017, ocorreram 19.016 assassinatos que correspondem a 52 mortes por dia.

“Cinquenta e sete por dia é o número diário de sul-africanos que foram mortos”, disse o ministro Bheki Cele aos deputados, referindo que “isso faz com que a África do Sul pareça uma zona de guerra”.

Perante isto, o presidente da comissão parlamentar encarregue da polícia, François Beukman, também reagiu considerando estes dados “perturbadores e totalmente inaceitáveis”.

Por sua vez, Norman Sekhukhune, chefe de polícia encarregado de estudos e estatísticas, no mesmo encontro que teve ampla divulgação na imprensa sul-africana, sublinhou que o número de homicídios “aumentou substancialmente nos últimos seis anos”.

De acordo com os dados da polícia divulgados pelo governo, os crimes que mais aumentaram, são os de agressão sexual, que subiram 8,2 por cento neste período, para 6.786 casos, representando quase 19 agressões sexuais por dia. As violações também aumentaram em 0,5 por cento, para 40.035 casos.

Por outro lado, os casos que envolvem roubos comuns baixaram 5 por cento, para 50.730, e os assaltos agravados também desceram 1,8, para 138.364.

Khehla Sitole, Comissário Nacional da Polícia, considerou perante os deputados que são necessários 62 mil efectivos adicionais para garantir a segurança no país.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com