China empresta dois mil milhões de dólares a Angola

O Presidente da República regressa de Pequim com mais dinheiro, elogios do seu homólogo e acordos sobre dupla tributação e cooperação

O Banco de Desenvolvimento da China vai conceder um novo empréstimo a Angola de dois mil milhões de dólares. Este o primeiro resultado da visita que o Presidente João Lourenço realizou terça e quarta-feira a Pequim.

Trata-se da segunda visita do Presidente da República a Pequim no espaço de 40 dias, depois de ter participado na terceira cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), no início de Setembro.

Registe-se que, nas contas do Governo, no final de 2017 Angola já devia à China mais de 20 mil milhões de dólares, o equivalente a mais de 60% de toda a dívida externa do país. Um valor que não coincide contudo com o estimado pela China Africa Research Initiative, da Universidade John Hopkins (EUA): 42 mil milhões de dólares.

As autoridades angolanas e chinesas assinaram também um acordo de promoção e protecção recíproca de investimentos e outro para eliminar a dupla tributação e prevenir a fraude e a evasão fiscal.

A China é o maior parceiro comercial de Angola. Para Pequim, a compra de petróleo angolano faz com que o país seja o segundo maior parceiro africano, atrás da África do Sul.

Entretanto, ao receber o seu homólogo angolano no Grande Palácio do Povo, em Pequim, o Presidente chinês, Xi Jinping, enalteceu o combate à corrupção e reformas «profundas» lançadas por João Lourenço. “Após ser eleito Presidente, [João Lourenço] impulsionou reformas profundas, combateu a corrupção e abriu-se ao mundo, com políticas que têm o apoio do povo angolano”, afirmou Xi. «Angola está a conseguir acelerar o seu desenvolvimento e acredito que vai registar progressos ao longo dos próximos anos», acrescentou.

João Lourenço foi recebido esta terça-feira, em Pequim, por Xi Jinping, com guarda de honra, salvas de canhão e o hino dos dois países tocado por uma banda militar. A cerimónia decorreu junto à porta leste do Grande Palácio do Povo, de frente para a Praça Tiananmen, o centro físico e político da capital chinesa.

Os dois estadistas reuniram-se a seguir num dos salões do Grande Palácio do Povo, onde assistiram à assinatura dos acordos que têm como objectivo evitar a dupla tributação e de cooperação económica e técnica, e ao respeitante à linha de crédito de 2.000 milhões de dólares, disponibilizada pelo Banco de Desenvolvimento da China.

Os dois lados assinaram ainda um memorando de entendimento para formação de recursos humanos. João Lourenço sublinhou a «reacção encorajadora e disponibilidade» de Pequim para financiar a construção de infraestruturas em Angola, nomeadamente estradas, caminhos de ferro, barragens, portos e aeroportos.

«Devo sublinhar que temos procurado apresentar projectos que possam contribuir para o crescimento económico de Angola, e melhorar a sua capacidade de reembolsar os créditos que recebe», afirmou.

O chefe de Estado lembrou ao homólogo chinês que Angola vive uma «nova era com maior abertura ao mundo, maiores direitos e liberdades para os seus cidadãos» e «maior transparência e concorrência nos negócios», com «menos burocracia e mais combate à corrupção».

João Lourenço enfatizou ainda a importância do investimento privado chinês em Angola, numa relação que tem sido dominada pela aliança entre os dois Estados.

«Considero que este será um importante factor dinamizador da economia e do desenvolvimento do nosso país, por via da geração de recursos, aumentando a produção interna de bens e serviços de consumo e as exportações, que nos permitirão fortalecer a capacidade interna de geração de divisas», disse.

 

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com