Gestores públicos na Huíla acusados de desviar 200 milhões de kwanzas

Três gestores públicos na província angolana da Huíla foram acusados de desviar 200 milhões de kwanzas (606 mil euros) e ficaram em prisão preventiva, onde vão aguardar pelo julgamento, noticia hoje a imprensa local.

A decisão foi tomada pela Procuradoria Geral da República (PGR) provincial e surgiu na sequência de uma averiguação do Serviço de Investigação Criminal (SIC) na Huíla, ao suposto desvio daquela verba, destinada a aquisição de 22 laboratórios escolares.

Trata-se do director do gabinete provincial da Educação da Huíla, do ex-secretário do governo daquela província e do antigo delegado das Finanças, que terão, em cumplicidade com dois outros responsáveis da administração local, entretanto detidos, assinado um contrato entre o governo da Huíla e uma empresa privada, em Dezembro de 2015.

Segundo a imprensa local, a decisão da PGR foi tomada depois de o primeiro interrogatório e a acarretarão “não ter satisfeito os advogados dos acusados”, que vão requerer “a fiscalização jurisdicional, ao tribunal local, para a reapreciação da medida”.

Segundo a decisão do Ministério Público, “os novos acusados, que se juntam a outros dois, já detidos”, vão aguardar julgamento na comarca da Huíla, que deverá realizar-se dentro de 45 a 90 dias.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com