Huawei está a estudar aumento do investimento em Angola

O vice-presidente da tecnológica chinesa, Ping Guo, encontrou-se com o Presidente João Lourenço

A multinacional chinesa de tecnologias Huawei está a analisar o aumento do investimento em Angola, também com a diversificação de projectos empresariais, tendo o vice-presidente da empresa, Ping Guo, salientado o “potencial” de crescimento do país
A intenção foi expressa por Ping Guo num encontro com o Presidente angolano, João Lourenço, em que lhe indicou a vontade da multinacional chinesa reforçar o investimento em Angola nos vários domínios das tecnologias de informação e no fornecimento de soluções tecnológicas nas áreas económica e social do país.
À saída do encontro, Ping Guo não avançou especificamente onde a empresa pretende investir, limitando-se a indicar que há “várias propostas bem desenhadas” para o mercado angolano, estando em curso um estudo para “melhorar a Angola do futuro”.
O director-geral da Huawei em Angola, Ryan Li, que integrou a delegação, disse que, nesta fase, o essencial vai ser melhorar todos os recursos tecnológicos existentes em Angola e optimizá-los para um futuro melhor nos vários sectores da vida.
“O mercado angolano tem grande margem para crescer. A nossa tarefa deve ser agora a de ver como vamos melhorar este processo”, disse Ryan Li, que entende que, a cumprir estes passos, vai ser possível melhorar o mercado angolano no que a soluções diz respeito.
Ryan Li adiantou que a multinacional chinesa projecta, para o futuro, a construção, em Angola, de um centro de referência de pesquisa e desenvolvimento.
A Huawei é a fornecedora da rede de transmissão de Angola e detentora de aplicativos e soluções tecnológicas inovadoras para a saúde, educação e agricultura.
“Temos de olhar para este conjunto de soluções e ver o que podemos fazer juntos para irmos melhorando os serviços que prestamos aos cidadãos”, sublinhou, por sua vez, o ministro das Telecomunicações angolano.
José Carvalho da Rocha, que acompanhou o vice-presidente da Huawei à audiência com o Chefe de Estado angolano, assinalou que aquela empresa continua a manifestar o seu grande interesse em continuar a trabalhar no mercado nacional, onde tem apresentado as suas soluções.
“O que vamos fazer agora é colocar as nossas equipas técnicas a trabalhar e a identificar o que devemos fazer, além do que já temos estado a fazer com a Huawei”, disse.
Relativamente a uma possível instalação no país de um centro de referência tecnológico para a montagem de ‘smartphones’ (telemóveis ‘inteligentes’), computadores e equipamentos, José Carvalho da Rocha disse que nada ainda foi avançado e que todas as propostas e intenções apresentadas pela Huawei vão ser discutidas ao longo desta semana.
A Huawei Technologies, que tem mais de uma centena de filiais em todo o mundo, é uma empresa multinacional de equipamentos para redes e telecomunicações com sede na cidade de Shenzhen, localizada na província de Guangdong, na China. É fornecedora de equipamentos para redes e telecomunicações do mundo.
Em Novembro de 2017, a multinacional chinesa lançou o Programa “Huawei Academia” na Universidade Católica de Angola, com o propósito de ajudar os estudantes a iniciar uma carreira, preparando-os para o mercado de trabalho.
Os jovens na academia vão beneficiar numa primeira fase de cursos básicos para iniciantes (Hiper e Wer).
A academia criada pela multinacional chinesa, dará acesso a todos os estudantes, independentemente da sua formação de base e do curso em que estejam a frequentar.
A formação tem permitido aos jovens desenvolverem o conhecimento e habilidades no sector das tecnologias de informação e comunicação e dotá-los de certificação da Huawei mundialmente reconhecida.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com