Já votaram 9500 sócios do Sporting

Às urnas do Sporting para eleger o novo presidente já acorreram, pelo menos, cerca de 9500 sócios, até às 13.30 horas deste sábado, segundo um novo balanço do presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Jaime Marta Soares.

A última actualização de Jaime Marta Soares aponta para 9500 os sócios que já votaram para eleger o novo presidente do clube.

No momento em que fez a segunda actualização da votação aos jornalistas, pouco depois das 11.30 horas, Marta Soares reforçou que o ato eleitoral “está a correr de forma extraordinária” e que os próprios delegados das candidaturas enalteceram “o rigor” com que está a decorrer todo o processo.

“É a garantia de que virão muitos sócios”, afirmou Jaime Marta Soares, que será o último sócio a exercer o direito de voto. Contudo, o presidente da Mesa da AG disse ainda estar “em reflexão” sobre a lista em que irá votar.

Entre os seis candidatos, João Benedito, José Maria Ricciardi, Dias Ferreira e Frederico Varandas já votaram.

“Tem decorrido tudo de forma pacífica e ordeira, com uma disciplina maravilhosa. Às 9.30 horas, já tinham votado mais de 750 sócios. É uma média extraordinária. Se se mantiver assim até ao encerramento das urnas, poderá ser um recorde em termos de presença de sócios”, afirmou Jaime Marta Soares, na primeira actualização aos jornalistas.

O líder da Mesa da AG mostrou-se “muito orgulhoso e feliz por sentir que os sócios estão a dizer presente” e apelou para que os associados se desloquem a Alvalade para participar no ato eleitoral.

Quanto a uma eventual aparição do ex-presidente Bruno de Carvalho no Estádio de Alvalade, Marta Soares foi peremptório: “Não estou à espera. Não há razão para vir a Alvalade, porque não pode exercer o direito de voto.”

Os sócios começaram a chegar pelas primeiras horas da manhã e, às 9 horas, no momento em que as se iniciou a votação, a fila continuava a aumentar, pois a cadência de chegada de sócios era constante, apesar da chuva que se faz sentir.

Esta será a maior operação do género no clube lisboeta, visto que os 51.009 sócios com direito a voto constituem também o número máximo alguma vez alcançado. Além dos votos por correspondência recebidos na sede do Sporting até às 20 horas de sexta-feira, poderão exercer todos os sócios que “registem entrada no local, ou que se encontrem em espera no local de entrada, até às 19 horas” deste sábado.

Além dos votos por correspondência recebidos na sede do Sporting até às 20 horas de sexta-feira, poderão exercer todos os sócios que “registem entrada no local, ou que se encontrem em espera no local de entrada, até às 19 horas” de hoje.

A entrada dos sócios está a ser feita pela porta 1 do Estádio José Alvalade, passando por uma primeira zona de credenciação com 40 mesas. Uma vez devidamente credenciados, os sócios prosseguem dessa área até ao Hall VIP do estádio, dividindo-se pelo número de votos a que têm direito e que vão desde um a 21 votos. Já no Hall VIP vão estar 50 mesas com voto electrónico, num processo de votação certificado pela Universidade do Minho.

João Benedito (lista A), José Maria Ricciardi (B), Frederico Varandas (D), Rui Jorge Rego (E), José Dias Ferreira (F) e Fernando Tavares Pereira (G) são os seis pretendentes que se mantiveram até ao fim na corrida, após a desistência de Pedro Madeira Rodrigues (C), derrotado por Bruno de Carvalho em 2017, que se tornou apoiante de Ricciardi.

Ferro Rodrigues quer que acabe “fase dos bons e maus sportinguistas”

O presidente da Assembleia da República portuguesa, Ferro Rodrigues, assumido sócio e adepto do Sporting, disse este sábado esperar que tenha acabado “a fase dos bons e maus sportinguistas”.

“Quero deixar uma palavra de esperança numa grande mobilização, que se continue a verificar ao longo do dia e que se batam todos os recordes. Mais importante, que todos os candidatos que tiveram a coragem de se apresentar, possam apoiar o que for eleito para que a fase dos bons e maus sportinguistas acabe e possa haver coesão e unidade no clube”, afirmou nas imediações do Estádio José Alvalade, ainda na fila para votar para eleger o novo presidente do Sporting.

Ferro Rodrigues quis também endereçar uma “palavra de gratidão” aos que, “num momento muito difícil, tiveram a coragem de assumir a responsabilidade no clube e na SAD nos últimos meses”.

Apesar da esperança, o responsável político frisou que o momento é ainda de “preocupação” porque “é necessário inventariar claramente a verdadeira situação, e isso vai durar alguns meses, e daí tirar consequências a curto e médio prazo”.

“Acredito que pode haver união porque as pessoas têm bom senso, são todos sportinguistas que querem o bem do Sporting acima de qualquer outra coisa”, disse.

Ferro Rodrigues não quis ainda comentar a possível impugnação das eleições por parte do ex-presidente ‘leonino’ Bruno de Carvalho: “Não comento nada que tenha a ver com figuras do passado”.

Sobre a situação financeira do Sporting, notou que “tem que se saber exatamente qual é a situação”.

“Há uma auditoria forense que está em curso e que vai divulgar os seus resultados. O Sporting tem a capacidade, o número de simpatizantes, três milhões, o número de sócios, pessoas espalhadas por todo o país e por todo o mundo, capazes de responder por mais difícil que a situação seja”, disse.

João Benedito apelou a um Sporting a uma só voz

O candidato à presidência do Sporting João Benedito pediu que, a partir de hoje, se fale no clube “a uma só voz” e apelou aos sócios que vão votar num dia “extremamente importante” para os sportinguistas.

Hoje é “um dia extremamente importante para todos os sportinguistas. Hoje decide-se o futuro do Sporting Clube de Portugal. Como é lógico, mais uma vez, com um sinal de vitalidade enorme. [A votação] Tem corrido de uma forma fantástica. Desde que entrámos lá em baixo na fila, uma hora até chegar aqui em cima. Está mesmo muita gente, mas as coisas têm fluido muito bem. Desde já, [é] um sinal de futuro e de vitalidade e, como tal, daqui para a frente, esperamos que assim seja, sempre”, afirmou João Benedito aos jornalistas, após votar.

O candidato da lista A disse que “foi uma campanha intensa e esclarecedora”, mas pediu que a partir de hoje os sócios do Sporting estejam todos unidos relativamente àquilo que é o futuro e os desígnios do clube.

“O importante hoje é que o Sporting saia solidificado. Já está a começar a ser com esta afluência. É importante que toda a gente venha (…), e que, a partir de hoje, se fale no Sporting a uma única só voz”, apelou João Benedito.

Questionado sobre a legitimidade deste ato, o candidato da lista A frisou que os resultados destas eleições têm de ser respeitados.

“Hoje considero-me um sportinguista, votante, sócio, para vir exercer aqui o meu direito de voto. Quantos mais pessoas vierem, mais legitimado fica este ato, mas temos de assumir aquilo que é a vontade dos sportinguistas, aquilo que é a vontade que saia deste escrutínio. E como tal, assim o respeitarei, como fiz durante toda a minha vida, como atleta e futuramente como presidente, espero eu”, salientou João Benedito.

Acompanhado de alguns elementos do ‘staff’ da sua candidatura, o antigo jogador de futsal do clube e empresário desejou que hoje se comece a construir o futuro do clube.

“É um dia muito importante para o Sporting. Apelo ao voto das pessoas que estão lá em casa, que venham todas votar. É um sinal de vitalidade, chegar aqui às 9 horas da manhã e ver já gente na fila antes de abrirem as portas para o ato eleitoral. Está tudo extremamente organizado, venham, sintam-se orgulhosos daquilo que é a organização do Sporting, daquilo que é o nosso clube para que possamos, já hoje, começar a construir o futuro do clube”, reiterou João Benedito.

O candidato da lista A acredita num “futuro risonho” para o Sporting e, “aconteça o que acontecer”, segundo o próprio, “já está demonstrado [hoje] um grande sinal de vitalidade”, acrescentando que hoje não é dia de se “falar sobre projectos ou campanhas”, mas sim um dia “para chamar” os sócios a votar e para que os sportinguistas se sintam “orgulhosos”.

Carlos Lopes espera “um presidente a sério”

O antigo atleta do Sporting Carlos Lopes disse hoje esperar que das eleições ‘leoninas’ resulte “um presidente a sério, que seja dinâmico, que respeite todos os sportinguistas e, acima de tudo, o desporto português”.

Na fila para votar, o medalha de ouro na maratona nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, considerou que o debate “podia ter sido mais rico”, mas notou que “qualidade não falta a todos os candidatos para pôr a dinâmica sportinguista a funcionar, com verdade desportiva, com coerência e, acima de tudo, com a qualidade que todos os sportinguistas esperam”.

A antiga figura do atletismo do Sporting disse ainda estar “descansado” quanto ao futuro das modalidades do clube.

“Estão bem estruturadas, cada vez mais fortes e a ganhar cada vez mais e estou descansado que nenhum presidente quererá perder essa oportunidade, senão será um mau presidente”, disse.

Frederico Varandas enaltece “grandeza” do clube e apela aos sócios

O candidato às eleições no Sporting Frederico Varandas enalteceu hoje a afluência de sócios às urnas e considerou que o clube de Alvalade é que “vai sair como grande vencedor” do ato eleitoral.

“É mais um dia em que se vê a grandeza do Sporting. Fico emocionado. É um clube gigante. A fila dá a volta ao estádio e continuam a chegar pessoas. Apelo a que venham ainda mais. Tenho a certeza que vai ser o ato eleitoral com mais presença na história do Sporting”, afirmou o candidato pela lista D, após exercer o direito ao voto.

Apesar de parco em palavras aos jornalistas, o antigo director clínico dos ‘leões’ lembrou que os sócios “continuam a dizer presente”, depois de terem feito o mesmo na Assembleia Geral (AG) de 23 de Junho, na qual foi destituído Bruno de Carvalho.

“Hoje não é a minha vez de falar, é a vez dos sócios. Eu já falei muito durante três meses e meio. O Sporting vai sair como grande vencedor. É a demonstração de que somos um clube gigante”, concluiu.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com