Motoristas contratados em Luanda para escapar à polícia

Contratar um motorista para conduzir o carro apenas no perímetro controlado pelas autoridades originou um novo negócio

O combate à condução sob efeito de álcool, realizado no último ano pela polícia angolana, abriu as portas a um novo negócio em Luanda: contratar um motorista para conduzir o carro apenas no perímetro controlado pelas autoridades.

A informação foi avançada pela Unidade de Trânsito de Luanda e pela Brigada Especial de Trânsito (BET), que já “apanharam”, só este ano, 2.300 automobilistas a conduzir sob efeito de álcool.
Segundo as duas instituições, a maioria dos automobilistas “apanhados” pela polícia apresentou uma taxa de álcool de 1,2 gramas por litro, tendo-lhes sido aplicadas multas entre 150 mil a 200 mil kwanzas.
No entanto, segundo as duas instituições, para se desviarem da operação policial, os automobilistas estão a contratar, por um valor que varia entre os 1.000 e os 2.000 kwanzas, motoristas para conduzirem as viaturas do interior da Ilha de Luanda – principal ponto de diversão nocturna da capital  – para o centro de Luanda, onde geralmente são montados os postos de controlo da polícia de trânsito.

A mesma fonte explicou que outra maneira encontrada de evitarem o controlo é estacionarem a viatura antes da brigada de trânsito, solicitando, depois, o serviço de um taxista, procedimento igual para o regresso até ao local onde se encontra estacionado o carro.
A polícia já se manifestou preocupada com o facto, considerando que a atitude dos cidadãos que optam por essa prática é “irresponsável”, uma vez que acabam, depois, por conduzir os carros sob o efeito de bebidas alcoólicas no regresso a casa.
Os acidentes de viação são a segunda causa de morte em Angola, depois da malária, sendo a condução sob efeito de álcool, o excesso de velocidade, a falta de iluminação e o desrespeito às regras de trânsito apontadas como as principais causas da sinistralidade rodoviária no país.

Em Junho, restaurantes, discotecas e bares da Ilha do Cabo, em Luanda , queixavam-se da perda de clientes por causa das “operações stop” realizadas pela Unidade de Trânsito do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, em especial aos fins de semana.
As operações de controlo e combate à condução sob o efeito de álcool são efectuadas junto aos acessos da ilha. Ao Novo Jornal Online, o gerente do restaurante Infinitus, na ilha de Luanda, contou na altura ter criado a alternativa que agora a polícia acusa ter-se tornado “irresponsável.”
“Os bares e restaurantes já não facturam à noite. Fui obrigado a criar uma estratégia para que os clientes possam estar à vontade. Uma delas foi arranjar alguém que transporte os que estão sob efeito de álcool para os seus destinos”, explicava em Junho o gerente Nelson Barros.
Os valores das multas em Angola para condução sob efeito de álcool variam entre os 11.000 e os 60.000 kwanzas quando o pagamento é efectuado na Unidade de Trânsito. Quando o valor de álcool no sangue se situe entre 0,8 grama e 2,2 gramas, as multas são aplicadas em tribunal e podem atingir os 200 mil kwanzas, e a pena de prisão pode ir dos três aos seis meses, com apreensão da carta de condução.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com