Novos confrontos mortais entre grupos na República Centro-Africana

Testemunhas disseram que os confrontos provocaram pelo menos quatro mortos e vários ferido

Confrontos mortais entre grupos armados, ocorridos no fim de semana, em Bria, leste da República Centro-Africana (RCA), levaram à fuga de dezenas de pessoas, segundo relatos da missão da ONU no país e de testemunhas.
“Houve confrontos entre os anti-Balaka (que afirmam defender os não-muçulmanos, NDLR) e o FPRC, com perdas em ambos os acampamentos”, afirmou o porta-voz da MINUSCA, missão da Organização das Nações Unidas (ONU) na República Centro-Africana, Vladimir Monteiro.
As forças de segurança da África Central e a “polícia de MINUSCA tomaram medidas de segurança e estão em alerta na cidade”, mencionou.
Em declarações à agência de notícias France-Presse (AFP), testemunhas disseram que os confrontos provocaram pelo menos quatro mortos e vários feridos, um balanço que não confirmado pela MINUSCA.
Dezenas de pessoas foram forçadas a fugir das suas casas, indicaram testemunhas à AFP.
Os combates entre as milícias anti-Balaka e os antigos rebeldes Séléka tinha parado no domingo à tarde, mas disparos esporádicos ainda foram ouvidos à noite, segundo os moradores da cidade.
Nos confrontos, a FPRC recebeu apoio de outro grupo da antiga Séléka, a Unidade da República Centro-Africana (UPC).
De acordo com as testemunhas, os confrontos entre anti-Balaka e os elementos do FPRC teriam começado com um acerto de contas entre os elementos de ambos os acampamentos sobre o roubo de uma mota.
A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-balaka.
O conflito na RCA, que tem o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com