Os convites de João Lourenço aos alemães

O chefe do Executivo enunciou as áreas em que quer contar com participação alemã

A energia e águas, a exploração do minério de ferro e a produção do aço, a mecanização agrícola, a exploração agro-pecuária e os transportes marítimos são áreas em que o Presidente João Lourenço gostaria de contar com maior envolvimento alemão em Angola.

No discurso que hoje produziu no Fórum Empresarial em Berlim, o Presidente da República assinalou que  ‘verificamos um interesse crescente de empresas alemãs em participar também nas áreas da construção, da energia e águas, da fiscalização de obras e de fornecimento de equipamentos. Esse interesse já está patente na participação bem sucedida de empresas alemãs em projectos de produção de energia em Angola, como por exemplo com o fornecimento de equipamento electromecânico à barragem de Cambambe e a fiscalização da barragem de Laúca”. João Lourenço manifestou, deste domínio, “o interesse de Angola no financiamento e fornecimento de tecnologia alemã para os aproveitamentos hidroeléctricos de Caculo Cabaça e Zenzo, e da construção e modernização das subestações e redes de distribuição de energia eléctrica na província do Namibe”.

Ainda na área da energia, João Lourenço defendeu parcerias público-privadas com empresas alemãs “na produção e distribuição de energia de todas as fontes, hídrica, solar ou a partir dos resíduos sólidos das grandes cidades, assim como na ampliação e exploração da actual rede ferroviária do país”.

“Gostaríamos de ver o investimento alemão na exploração do minério de ferro e na produção do aço”, referiu.

A cooperação ao nível marítimo é outro dos pontos na agenda do chefe do Executivo no que respeita às relações bilaterais angolanas-alemãs:  “no domínio dos transportes, para além da implementação do que já foi acordado ao nível dos transportes aéreos, temos também interesse em negociar um acordo no domínio marítimo”.

O Presidente da República explicitou também o interesse na participação alemã na construção de auto-estradas regionais. “Gostaríamos de ver realizadas parcerias público privadas com empresas alemães na construção de auto-estradas com ligação aos países vizinhos, nomeadamente com a Namíbia, a Zâmbia e a RDC para facilitar e dinamizar o comércio regional”, acentuou.

No domínio ainda do transporte terrestre, o chefe do Executivo, após lembrar que a concessão dos Caminhos de Ferro de Benguela é algo que ainda está em estudo, as autoridades gostariam “de interessar os investidores alemães a concorrer no devido momento”.

A criação de uma Câmara de Comércio angolana-alemã, foi um dos objectivos defendidos por João Lourenço, considerando que ela se já se justifica “para apoio aos empresários que pretendam investir no mercado angolano e para o fomento de pequenas empresas mistas”.

 

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com