Portugal precisa de “acordos alargados” para ser sustentável

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse no domingo que Portugal precisa de “acordos alargados” para que os sistemas sociais, económicos e políticos possam ser sustentáveis.

“Precisamos de ter sistemas sociais, económicos e políticos e estáveis, e isso é um problema. Precisamos de acordo e acordos alargados, acordos políticos nessas matérias ou não teremos essa sustentabilidade. E precisamos dela agora, precisamos para o futuro”, defendeu.

No discurso de encerramento do jantar comemorativo do 30.º aniversário da Porto Business School, o chefe de Estado sublinhou que esta sustentabilidade depende de “consensos” difíceis de alcançar numa democracia jovem.

“Ou os temos ou não temos. Se não os temos, temos que os construir. É difícil porque não nos podemos esquecer que somos uma democracia muito jovem. Menos de 44 anos de democracia, é muito curto, ainda não é uma tradição, uma cultura cívica, estamos a construí-la todos os dias, todas as semanas, todos os meses e num mundo difícil. À nossa volta há também crises em outros sistemas económicos, sociais e políticos”, afirmou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa é esse o caso do Reino Unido que vai sair da União Europeia e é também o caso da União Europeia que, explicou, “tem como desafio tomar grande decisões sobre o futuro comum, de preferência antes das próximas eleições para o Parlamento Europeu”.

Para além disso, acrescentou, há democracias clássicas em crise por conta da revolução digital e movimentos inorgânicos à margem dos partidos clássicos, o que “está a tornar-se um problema”.

“Isto gera imprevisibilidade, maior do que nunca, e nós temos que ter previsibilidade e construí-la também em Portugal”, sustentou.

Segundo o Presidente da República, Portugal precisa de uma economia forte para ser forte no mundo, e para isso, acredita, é necessário investir na qualificação.

“Nós precisamos de ser mais e para ser melhores precisamos de pessoas mais qualificadas. Precisamos de melhor educação, mais coesão social, uma sociedade civil forte, melhores condições para o investimento privado, menos custos de contexto, de outra forma não teremos investimento privado no sector exportador. Nós precisamos desse sector, é um sector vital para a economia e nós precisamos de uma economia forte para sermos fortes no mundo”, sublinhou.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com