Produção agrícola deverá aumentar, com a de cereais a crescer 25%

No ano agrícola que começa esta sexta-feira Angola prevê aumentar a produção agrícola, com destaque para os cereais

Angola prevê produzir, no ano agrícola 2018/2019, a ser aberto oficialmente esta sexta-feira (12), no município do Chinguar (Bié), 21.101.277 toneladas de produtos diversos, com destaque para os cereais, cuja produção se estima irá registar um aumento de 25 % em relação à última safra.

Nesta campanha, a produção de cereais (milho, massambala, massango e arroz) registará um aumento expressivo de 2,5 milhões de toneladas para perto de 3,13  três milhões,  uma subida de mais de 628,4 mil toneladas em relação a 2017/2018.
Assim, o sector projecta a colheita de 11.130.449 toneladas de raízes e tubérculos (um aumento de 130.449 toneladas), mais de 4,4 milhões de toneladas de frutas, quase dois milhões de toneladas de hortícolas e mais de 802,2 mil toneladas de leguminosas (feijão), com vista ao crescimento da produção interna e à melhoria da dieta alimentar das famílias.

Para o alcance destas metas, o Ministério da Agricultura e Florestas preparou mais de cinco milhões de hectares (14 % das terras aráveis do país), dos quais 30 mil serão corrigidos com calcário dolomítico (substância que serve para corrigir a acidez dos solos), estando disponíveis 52 mil toneladas deste produto para este fim.
Dos cinco milhões de hectares disponíveis maioritariamente para a agricultura familiar, quase 3,7 milhões (correspondente a 72 por cento) estão a ser preparados de forma manual, 1,27 milhões (25 %) por tracção animal e 152, 8 hectares (3 %) mecanizados.

O ano agrícola 2018/2019 vai abranger 2.846. 912 famílias, e o sector prevê disponibilizar 30 mil toneladas de fertilizantes compostos e simples, sementes, calcário dolomítico, 50 mil unidades de charruas de tracção animal, enxadas, catanas, limas, machados e assistência técnica para um milhão 309.580 famílias.

Sob o lema “Agricultura, rumo à auto-suficiência alimentar e à promoção das exportações”, o acto de abertura do ano agrícola 2018/2019 será marcado com a realização de uma feira agro-pecuária, onde se fará a demonstração do uso do calcário dolomítico, equipamentos agrícolas, fertilizantes e produtos do campo.
A feira, a contar com a participação de mais de 50 empresas que vão expor insumos e máquinas agrícolas, servirá também para as famílias camponesas apresentarem as principais culturas e potencialidades agro-pecuárias de diversas regiões do país. As instituições que potenciam os camponeses com conhecimentos tecnológicos e assistência técnica vão, igualmente, mostrar os seus equipamentos nesta montra.
A presente campanha terá por principal objectivo atingir as metas pré-definidas no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN), que prevê até 2019 cobrir 70 a 80 % das necessidades alimentares dos angolanos.

Para a prática da agricultura, o país tem uma disponibilidade de 35 milhões de hectares de terras aráveis, dos quais cinco milhões já cultivados, extensas áreas de pasto para a produção pecuária, faixa irrigável de sete milhões de hectares da sua área total, sendo 3,4 milhões de exploração tradicional, bem como uma rede hidrográfica constituída por 47 bacias, com um potencial hídrico estimado em 140 mil milhões de metros cúbicos.
Quanto à cobertura florestal, possui 60 milhões de hectares de florestas (48 por cento da superfície), representando uma vasta cadeia de exploração da flora e fauna nacionais.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com