Produtos com validade expirada em Angola saem para as ruas

Os produtos que são depois falsificados para venda são comprados nos supermercados

O presidente da Associação Angolana dos Direitos do Consumidor (AADIC), Diógenes de Oliveira, afirmou hoje à Angop que os produtos cujas datas de validade já expiraram e que, depois, são falsificados para venda no país saem das grandes superfícies comerciais.
“Ao contrário do que se possa pensar, que os produtos estejam a ser importados já com datas vencidas, os bens saem dos supermercados locais e são canalizados para as casas de falsificação”, explicou Diógenes de Oliveira, em declarações à Angop.
A agência Lusa divulgara a 30 de Julho último o problema, informando que a AADIC denunciara na Procuradoria-Geral da República (PGR) angolana a existência de um “grupo de malfeitores” que se dedica unicamente a alterar as datas de validade nos rótulos dos produtos expirados, comercializados a retalho e em grosso em todo país.
O responsável da AADIC disse então não saber se são os trabalhadores dos supermercados ou do aterro sanitário que levam os produtos expirados às “casas de falsificação”, exortando à investigação da Polícia Nacional.
Para prevenir os consumidores, o responsável disse que a AADIC notificou o Ministério do Comércio para se informar sobre os lotes dos bens que estão a ser falsificados, os locais e a posição a ser adoptada pelos cidadãos.
Segundo a AADIC, as práticas de falsificação de datas de fabrico e de caducidade não se ficam somente por Luanda, sendo extensiva a todo território angolano, pelo que a associação apelou aos consumidores a “absterem-se de consumir os produtos enquanto o Ministério do Comércio não se pronunciar”.
Entre os produtos englobados na lista da AADIC está a marca de leite portuguesa Mimosa, pertencente à Lactogal, bem como outras como as papas Maizena e Nestlé, Cornflakes e flocos de aveia, os cereais Estrelitas, a bebida energética Redbull, o feijão Tio Lucas, o milho doce Condi, o óleo alimentar Cozinheiro Tempero, o ketchup Nhan Nhan, as manteigas Pastora, Puro Sabor e Soya, o sumo Bongo, os cogumelos Anna, o caldo de carne Maggi e as fraldas Pampers.
A suposta rede criminosa, adiantou a AADIC, integra cidadãos nacionais e estrangeiros que adulteram bens e produtos para as grandes superfícies comerciais.
Face à denúncia da AADIC, a empresa portuguesa Lactogal, que comercializa em Angola a marca Mimosa, entre outras, disse já ser “totalmente alheia” à tentativa de fraude.
Numa nota de esclarecimento enviada à Lusa em Luanda, a Lactogal – Produtos Alimentares SA salientou que a empresa produz e exporta os seus produtos “nas devidas condições de segurança e higiene”, ressalvando que não tem qualquer tipo de estrutura em Angola.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com