Reservas internacionais recuperam para 13,68 mil milhões

Após terem atingido em Maio o máximo do ano, as reservas estratégicas recuperaram em Julho da quebra do mês anterior

As Reservas Internacionais Líquidas (RIL) aumentaram 3,1% entre Junho e Julho, para 13.680 milhões de dólares, após terem decaído em Junho do valor mais elevado do ano, apurado em Maio.
De acordo com os dados preliminares de Julho do Banco Nacional de Angola (BNA), sobre as RIL, incluídos nas estatísticas monetárias e financeiras que o banco central publica mensalmente, as RIL aumentaram no espaço de um mês o equivalente a 420 milhões de dólares, depois do corte, em Junho, de 1.412 milhões de dólares.
Estas reservas, de moeda estrangeira e que também servem para pagar as importações, garantem as necessidades de cerca de seis meses de importações por Angola e atingiram em Maio os 14.398 milhões de dólares o valor mais alto desde Outubro de 2017.
O Governo angolano anunciou na segunda-feira que o plano de assistência que está a ser negociado com o Fundo Monetário Internacional (FMI) terá uma componente financeira.
Desde as eleições gerais de 23 de Agosto, que levaram à chegada ao poder de João Lourenço, eleito terceiro Presidente de Angola, estas reservas, que se mantêm em mínimos desde 2010, já caíram cerca de 2.500 milhões de dólares, uma quebra de cerca de 16%.
O BNA tem utilizado estas reservas para vender divisas aos bancos comerciais e garantir a importação de alimentos, máquinas e matéria-prima para a indústria, que por sua vez estão a menos de metade do valor contabilizado antes da crise da cotação do petróleo.
No início de 2014, antes dos efeitos da crise provocada pela quebra da cotação do petróleo no mercado internacional, as reservas angolanas ascendiam a 31.154 milhões de dólares.
Angola enfrenta dificuldades financeiras, económicas e cambiais, tendo o BNA aumentado a venda de divisas (euros) à banca comercial angolana, que está sem acesso a dólares face à suspensão das ligações com correspondentes bancários internacionais.
No Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2018, o Governo angolano recorda que o volume de reservas deveria ter sido, na previsão anterior, de 19.000 milhões de dólares no final de 2017.
Contudo, com a manutenção da taxa de câmbio ao longo de 2017 – sem qualquer desvalorização do kwanza angolano -, as RIL reduziram-se até Dezembro último a 14.480 milhões de dólares.
“O número de meses de importação cobertos pelas RIL situa-se agora em 5,49, abaixo dos seis recomendados pelas metas de convergência da SADC [Southern African Development Community]”, alerta o Governo, no OGE aprovado em Março.
Entre Agosto de 2016 e Julho de 2017, o banco central – que actualmente é o único fornecedor de divisas à banca comercial – ainda aumentou a injecção de moeda estrangeira no mercado cambial primário, com vendas directas aos bancos.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com