Vendedores ambulantes temem que Operação Resgate combata os pobres

A Polícia Nacional (PN) de Angola dá início na próxima terça-feira, 6 de Novembro, à Operação Resgate que visa, segundo a corporação, combater a venda desordenada em locais impróprios e resgatar a autoridade do estado angolano.

Os vendedores ambulantes, que se dizem vítimas de acção da polícia, afirmam que a operação visa combater os pobres e não a pobreza.

O porta-voz da PN, comissário Orlando Bernardo, a proibição da venda de diversos produtos na via pública, tais como alimentos, acessórios de decoração de viaturas, telemóveis, recargas telefónicas, calçados, roupas e outros bens, tem como objectivo desincentivar o crime.

Mas para vendedores ambulantes ouvidos pela VOA, esse combate vai aumentar o nível de criminalidade, prostituição e a fome no país.

“Esta é uma atitude negativa. Se acontecer nós as mulheres vamos ser prostitutas e teremos muitos bandidos”, disse uma zungueira.

José Cassoma, presidente da Associação de Vendedores Ambulantes de Luanda (AVAL), apela a uma maior ponderação das autoridades durante a Operação Resgate.

“O Governo não pode lutar contra o povo. Os zungueiros são a maioria das populações”, sustentou Cassoma.

Entretanto, Orlando Bernardo reitera que a venda ambulante é uma actividade lícita e quem a exerce deverá continuar a exercê-la, desde que, seja em locais que serão indicados pelas autoridades administrativas.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com