Volume de depósitos sob reserva do BNA há três meses em queda

As reservas obrigatórias desceram em Julho para 1,083 biliões de kwanzas

Segundo dados preliminares do BNA sobre o panorama monetário angolano, compilados pela agência Lusa, estas reservas obrigatórias desceram em Julho para 1,083 biliões de kwanzas (3.480 milhões de euros).
Trata-se de uma quebra de 1,8% face a Junho, mês em que estas reservas já tinham caído cerca de 3%, face ao anterior.
Em causa nestes dados estava a obrigatoriedade de os quase 30 bancos comerciais que operam em Angola constituírem reservas sobre os depósitos à ordem do BNA, que fixou taxas de 15% do total em moeda estrangeira e 30% em moeda nacional.
Em Maio, o banco central voltou, novamente, a reduzir o coeficiente das Reservas Obrigatórias, em moeda nacional, de 21% para 19%.
Os depósitos em moeda nacional e estrangeira dos bancos comerciais angolanos tinham renovado em Abril o valor mais alto do histórico disponibilizado pelo BNA, ao atingirem o pico de 1,170 biliões de kwanzas (3.716 milhões de euros).
Em Dezembro de 2017, o volume de depósitos em moeda nacional e estrangeira cifrava-se em 1,090 biliões de kwanzas (5.850 milhões de euros, à taxa de câmbio de 31 de Dezembro, anterior à depreciação do kwanza, que já soma 40% desde o início deste ano).
Na denominada “reserva bancária” contavam-se no final de Julho de 2018 depósitos obrigatórios em moeda estrangeira no valor de 292.029 milhões de kwanzas (938 milhões de euros) e em moeda nacional de 791.790 milhões de kwanzas (2.543 milhões de euros), estando os restantes em regime de reserva livre.
Angola vive uma grave crise financeira e económica, decorrente da quebra da cotação do barril de crude no mercado internacional, situação que se reflecte ainda na falta de divisas no país, o que dificulta nomeadamente as importações, provocando várias restrições na gestão de moeda estrangeira. O volume de depósitos em moeda nacional e estrangeira dos bancos comerciais angolanos sob reserva do Banco Nacional de Angola (BNA) voltou a cair em Julho, quase dois por cento, a terceira quebra mensal consecutiva.

Artigos relacionados

DESTAQUE OPINIÃO

OS TROCOS MAIS SUJOS QUE A ELITE “DOS SANTOS” DEIXOU PARA ANGOLA

Actualmente falar de Angola no contexto político, económico e social, tornaram-se “cláusulas” cada vez mais desconfortantes atendendo a porção de pancadas a que este povo é submetido constantemente e que no fim do dia não sabe onde mais se segurar, uma vez que a policia não está na rua para oferecer chocolates nem rebuçados!

Ler mais »

© All rights reserved

Made with ❤ by rotasweb.com